Nosso mapa-múndi | Lisboa, Portugal

Nosso mapa-múndi no ar! ♥  Pra entender o que eu tô falando é só clicar aqui.

A convidada especial de hoje é a Raquel Webber, que morou em Lisboa e trouxe muuuitas dicas incríveis pra dividir com a gente! 

Lisboa à vista! Para começar e entrar no clima Lisboeta, leia o texto escutando o “desfado” de Ana Moura. Pra ouvir é só clicar aqui.

Sempre sonhei em morar na Europa, mas confesso que Lisboa nunca havia passado pelo meu radar até o momento em que meu marido foi convidado para fazer um ano do doutorado dele por lá (obrigada, Pablo S2). Então, me vi de mudança para o país além-mar.

Depois de um ano pela terrinha posso dizer que ao ritmo de um barquinho no Tejo, Lisboa roubou meu coração. E não foi só o meu, é cada vez mais comum ver Lisboa na lista de melhores destinos ou ver a cidade sendo tema de programas na televisão.

Meu nome é Raquel, atualmente moro em Porto Alegre, e vou contar um pouco das minhas experiências em Portugal para vocês.

Arquivo pessoal
Arquivo pessoal

Onde ficar?

O charme de Lisboa está por todos os bairros, mas os que ficam mais próximos ao centro facilitam o vai e vem. Por isso, é legal buscar um hotel, hostel ou Airbnb por bairros como Chiado, Cais do Sodré, Rossio, Príncipe Real ou Bairro Alto. Se não for no centro, cuide para ficar perto de alguma linha do Metro (lá é sem acento). O bom é que Lisboa tem opções para todos os tipos de bolsos.

Como se deslocar?

Caminhar (e muito) por Lisboa faz parte da experiência na cidade, a região central é pequena e pode ser explorada a pé, mas o Metro pode facilitar alguns deslocamentos e os Bondinhos (novos ou antigos) são atração à parte. Para andar em todos os transportes, é só comprar um cartão recaregável (Viva Viagem). Dica: recomendo pegar o bondinho antigo – clássico amarelinho – para ir à Belém, é um passeio bonito. É o famoso bondinho número 15.

Se chover… vá ao Oceanário! Se não chover também, mas como ele não fica muito perto do centro, às vezes, pode ficar fora de mão para quem tem poucos dias na cidade. Para chegar é super fácil: pegar o autocarro (ônibus), número 728, ele sai de vários pontos do centro e chega bem na porta do Oceanário, no Parque das Nações.

Bairros Clássicos

  • Alfama: É o bairro mais alfacinha (descubra o porque passeando por ele), antigo e típico de Lisboa. É nele que você vai dar de cara (literalmente) com os varais mais charmosos dos portugueses (foto abaixo). É a cara de Lisboa e em um dia de sol é uma delícia se perder por ele. Os pontos fortes por lá são o Castelo de São Jorde, Miradouro de Santa Luzia, Largo das Portas do Sol e a Catedral da Sé.
Arquivo pessoal
Arquivo pessoal
  • Belém: Sou muito suspeita para falar de Belém porque foi onde morei neste último ano, mas também é lá que estão as quatro principais atrações de Lisboa: Padrão dos Descobrimentos, Torre de Belém, Mosteiro dos Jerônimos e os famosos e autênticos Pasteis de Belém (sim, só em Belém você consegue comer, os demais são Pasteis de Nata). Tem outros atrativos também, como o Museu dos Coches e o Centro Cultural de Belém. Dá para passar um dia inteirinho por lá. Ah, recentemente abriu um novo museu lindão: O MAAT – Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia.
Arquivo pessoal
Belém olhando para a esquerda | Arquivo pessoal
Arquivo pessoal
Belém olhando para a direita | Arquivo pessoal

O melhor mês para visitar?

Todos são incríveis, mas o mês de junho é apaixonante! Se você puder escolher um mês para visitar a cidade escolha junho, pois é o mês da Festa dos Santos Populares com festas e arraiais por todo o país. Você vai conhecer o Manjerico, comer muito caldo verde e sentir o cheiro das sardinhas na brasa por toda Lisboa. Do dia 12 para 13 de junho, Dia de Santo Antônio, a cidade vira um carnaval, mas o mais legal é que cada bairro Alfama, Graça, Bica, Mouraria ou Madragoa prepara a sua festinha. É comida e música o dia inteiro. Bué da fixe! (Google it!)

Arquivo pessoal
Arraial nos Santos Populares | Arquivo pessoal

Além de Lisboa?

  • Cascais: É uma das praias vizinhas de Lisboa, pode ser visitada em um turno ou durante um dia inteiro. Dá para ir de trem a partir de Lisboa (das 6h as 23h) e demora mais ou menos 30 minutos para chegar. A cidade oferece bicicletas gratuitas e é bem legal conhecer toda a costa pela ciclovia. É excelente em restaurantes: (1) Cascas (comida portuguesa maravilhosa na beira da praia, muito astral de férias), (2) Polvo Vadio (Polvo de várias maneiras) e Moules & Gin (mexilhoes com vários molhos e fritas, no melhor estilo francês).
  • Nazaré: É conhecida por suas ondas gigantes, mas é uma cidade muito, mas muito agradável de passear, boa de visitar no inverno e no verão. As ondas gigantes acontecem durante o inverno (entre novembro e fevereiro) e não tem uma dia certo, mas tem restaurantes ótimos e muito charmosos: (1) TOSCA Gastroba (melhor polvo que já comi na vida), (2) Blue jardim (pizzas feitas por um casal francês querido demais), Sitiano (tapas portuguesas) e Taverna do 8 ó 80 (tapas portuguesas muito criativas).
  • Óbidos: Está a uns 80km de Lisboa, e é uma cidade medieval ainda cercada pela muralha. É muito charmosa, tem igreja, castelo, lojinhas, e o divertido é se perder pela cidade. É lá ainda que você pode provar a legítima ginginha de óbidos (um licor com uma frutinha que é tipo uma cereja). Eu fui em um local que me disseram que era autêntico e eu curti muito: Ibn Errik Rex (o nome é esquisito, mas oferece um prato típico também).

Vamos voltar para Lisboa? E o melhor, falar dos restaurantes?

Comida é cultura (e para mim, assunto mais que sério). E a comida portuguesa conta muito sobre a história do país. Você não pode deixar de comer o Bacalhau, mas também os outros inúmeros peixes: Garoupa, Carapauzinhos fritos e a Cavala, por exemplo. E ainda: provar os pães, as azeitonas e os azeites. Comer e beber em Lisboa é barato e muito, mas muito bom.

Arquivo pessoal
A entradinha nada básica | Arquivo pessoal
Arquivo pessoal
Pasteis de Belém, os legítimos | Arquivo pessoal

Restaurantes em Lisboa

Para todo mundo

  • Mercado da Ribeira: é tipo um mercado público que foi reformado e é bem moderninho, reúne todos os melhores restaurantes da cidade em uma versão pocket. O objetivo é ter acesso aos melhores restaurantes de Lisboa, pagando até 15 euros (ou menos). Está aberto quase sempre, então é uma boa opção para quando os demais restaurantes já fecharam.

As tascas de Lisboa! Tascas ou tasquinhas, são restaurantes locais que servem refeições da cozinha tradicional portuguesa com preços muito baratos. Inclusive, elas são excelentes lugares para comer um bom bacalhau.

  • Tasca do Zé dos Cornos (Mouraria): Toda Tasca tem o prato do dia, no Zé dos Cornos você consegue comer os grandes clássicos como o Bacalhau com Grão (às segundas) ou o Cozido à Portguesa (às quartas), recomendo pedir a pimenta da casa
  • Solar do Embaixador (Belém) É um dos bairros mais turísticos, então esta Tasquinha é um achado: tudo feito na hora, o pão maravilhoso e preço super em conta. Ah, em Belém também tem o Restaurante Frazão, bem simples, com belas sardinhas e choclos. Se for lá, manda um abraço para o Seu Filipe por mim.
  • Lisboa Tu e Eu (perto do Castelo de São Jorge): É bem pequeno, oferece bons petiscos (salada de polvo e pataniscas de bacalhau), tudo feito na hora pela dona Maria, com todo amor do mundo. O atendimento pode ser um pouco lento, mas é barato e maravilhoso.

Tem mais de 50 opções de Tascas na cidade, quer escolher a sua? Livro: 50 melhores Tascas de Lisboa.

Bacalhau à Brás é uma das inúmeras formas de comer o tão famoso peixe.

Arquivo pessoal
Arquivo pessoal

Restaurantes portugueses com um toque jovem

  • Bastardo (Rossio): O Lugar é bem legal, tem uma bela vista do centro e a comida é ótima.
  • Bairro do Avillez: José Avillez é um dos chefs do momento em Lisboa, ele tem inúmeros restaurantes (Cantinho do Avillez, Pizzaria Lisboa, Café Lisboa, Mini Bar), um quinto com duas estrelas Michelin (O Belcanto). Não satisfeito, montou o seu “bairro”, lá você encontra uma mercearia, uma manteigueria, uma taberna e um Páteo. O lugar é liiiiindo. Pode anotar ai, por algum Avillez você vai passar.

Os melhores de Lisboa, não portugueses

  • A cevicheria (Príncipe Real): Na minha opinião, é o melhor restaurante de Lisboa. Se gostar de Ceviche tem que ir. Não aceita reservas, tem filas e mais filas, é bom chegar cedo (até as 20h). Senão dá para esperar na frente, bebendo um vinho e petiscando. Do mesmo chef, tem O Talho e ainda O Asiático. Qualquer restaurante do Chef Kiko vale muito, mas muito a pena. Curiosidade: ele vai ser um dos jurados do Master Chef Portugal.
  • Pistola y Corazón Taqueria (Santos): Mexicano por mexicanos, tem a melhor Margarita do universo. Sempre cheio, tem que chegar cedo para conseguir mesa com mais facilidade.

Happy Hour

  • By the Wine (Chiado): A decoração é linda, tem ótimos petiscos e muitas opções de vinhos.
  • Rio Maravilha, na LX Factor (Alcântra): Tem um vista magnifica do Tejo, bons drinks e comidas. Se você for para os lados de Belém ou estiver voltando de Belém para o centro, é no meio do caminho. o Elétrico 15 para ali na frente, em Alcântra (nome da paragem).

Melhor hambúrguer:

  • Raio Laser (Belém): É em Belém, é local e nada explorado por turistas. É delicioso e custa menos de 10 euros com batata e uma bebida. (Pedir o “da turma”.)

Cafés | É injusto falar de cafeterias, elas são patrimônio de Lisboa, mas vou arriscar

  • Fábrica Lisboa (Baixa): Lugar vintage e croissants deliciosos, com uma taça de vinho, claro.
  • Kaffehaus (Chiado): Serve salsichas alemãs artesanais e um belo chopp, além de cafés bem elaborados.
  • Ora, Pois (Alfama): Famosinho, vários ambientes, bem aconchegante, tem boas opções de doces.

Dica final

Eu amo livros, e nesta minha imersão em Lisboa acabei encontrando boas opções além dos guias tradicionais. Um deles é o livro “Lisboa em Pessoa”, escrito pelo João Correia Filho, além de ser um bom guia da cidade, bem ilustrado, ele foi construído a partir de um roteiro turístico escrito pelo poeta Fernando Pessoa no livro Lisboa: o que o turista deve ver, de 1925. A nova versão inclui textos de outros autores portugueses e atualiza o roteiro de Pessoa. Boa

Arquivo pessoal
Arquivo pessoal

Esta foto é no Alenjeto, uma das regiões vinículas, mas isto dá assunto para outro post.

Obri pelo post tão lindo, Raque! Quem quiser entrar em contato com ela é só mandar um email para raquelwebber@gmail.com

4 thoughts on “Nosso mapa-múndi | Lisboa, Portugal

  1. Olá Raquel, muito bom o que escreveu sobre Lisboa vou só acrescentar dois restaurantes para quem quiser experimentar comida portuguesa de outras zonas do país. O Magano em Campo de Ourique o melhor da comida Alentejana e com vinhos tintos Alentejanos de cair para o lado de tão bons que são e ainda no mesmo bairro o “Ilha da Madeira” ótima comida e bebidas ( Poncha , pé de cabra,Madeira) tipica madeirense o único senão é a decoração, mas vale pelo resto.
    Bjs
    Isabel Marcos
    (Colega da Pós graduação)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *