Nosso mapa-múndi | Cuba

Mais um post da seção Nosso mapa-múndi no ar! ♥  Pra entender o que eu tô falando é só clicar aqui.

A convidada de hoje é a Laura Andrade, que recentemente foi pra Cuba e trouxe dicas incríveis e um olhar bem interessante sobre a cultura e o momento em que o país está vivendo.

Sou a Laura, tenho 31 anos, trabalho como pesquisadora e moro em Porto Alegre. Fui pra Cuba para estudar documentário na EICTV (Escuela Internacional de Cine y TV) e porque queria ver de perto como estão as questões de consumo com o país mais aberto.

Arquivo pessoal
Arquivo pessoal

Fiquei 1 mês lá e visitei Havana, EICTV (San Antonio de Los Baños), Trinidad, Cienfuegos, Cayo Guillermo e Playa Pilar.

Ares de cidade grande

Talvez seja a expectativa que criei, ou o que li e ouvi falar antes de ir, mas esperava que ir para Havana fosse mesmo uma “viagem no tempo”, mas pra mim não foi exatamente assim. Achei a cidade bem “cosmopolita” perto do que eu esperava. Tá, lá não tem vários dos itens ~básicos para uma cidade “grande” como: arranha-céus, muito trânsito, lojas e multinacionais por todos os lados. Mas sim, dá pra se sentir numa cidade grande em que muitas coisas acontecem.

Havana - Cuba

Arquivo pessoal

Arquivo pessoal

Encontrar e conversar com cubanos: sim

Cuba tem sido um destino turístico muito procurado e como eu fui na na alta temporada* tinha muitos e muitos turistas de todo o mundo pelas ruas das principais cidades turísticas. E isso para os cubanos é maravilhoso, pois o turismo é uma das principais fontes de renda deles. Para ter uma ideia, lá quem tem maior renda é quem trabalha com turismo: taxistas, garçons, guias turísticos, artistas de rua, pois tem acesso a moedas estrangeiras e uma renda variável. Quem tem um emprego “formal” e trabalha no governo, por exemplo, ganha em torno de 20 a 30 dólares por mês (SIM!).

Apesar dessa horda de europeus, asiáticos e de passageiros de navios que atracam no porto de Havana tomarem as ruas, é mito que você não vai cruzar com cubanos nos lugares e nem ter a chance de conversar com eles. Como em qualquer lugar do mundo, claro que os locais não vão estar nos passeios turísticos, mas sim, se você quiser, pode ter uma excelente experiência de conversar e fazer amizade com os cubanos. Eles são um povo muito receptivo, acolhedor, que adora conversar e saber sobre a cultura de quem vem de fora. Me senti muito em casa com eles.

Como eu estava gravando um documentário e buscando assuntos e personagens, conversei com muitos e muitos cubanos pelas ruas, visitei várias casas e todos foram legais – e ok, alguns tentaram vender charutos, é verdade. Ah, e eles adoram novelas brasileiras! Pode ser um bom começo de conversa, hehe.

*De novembro a março e entre julho e agosto, segundo o Lonely Planet

O consumo já chegou

Sim, já rolou uma chuva de camelô lá, como eu tenho tentado explicar. Eu imaginava que ainda ia encontrar um povo “imaculado” de consumismo, mas não. Já se vê pelas ruas camisetas fluorescentes falsificadas, jeans manchados e com strass, fones grandes e coloridos, óculos com lentes espelhadas, smartphones e tablets. Esse foi um dos principais motivos que me fez querer ir logo: ver como estava sendo essa questão do consumismo num país tão fechado. E foi uma surpresa ver que isso tudo já estava rolando.

O mais legal é que consegui cumprir um dos meus principais objetivos lá: além de ver de perto, registrar. O documentário que gravamos acompanha a rotina de um jovem cubano de 23 anos, que veio do interior para ganhar a vida tocando e dançando em um grupo na rua mais turística de Havana Vieja: Calle Obispo. Ele representa muito bem esse consumismo já presente no dia-a-dia do país – e todo o carisma, a determinação e o talento cubano.

Havana - Cuba
Arquivo pessoal
Havana - Cuba
Arquivo pessoal

Sorveteria Coppelia é meio furada

Tudo bem, uma bola de sorvete custa um peso Cubano (0,05 centavos de Euro, mais ou menos), mas é um sorvete bem simples pra quem já provou muitos sorvetes bons na vida (a.k.a. nós que moramos em países capitalistas). E tem filas e filas pra entrar na maioria das vezes. Os cubanos gostam de controlar as coisas, isso é verdade, então não deixam a gente entrar nem na área da sorveteria – que é enorme – sem ficar na fila.

O tempo e a distância são outros

Outra coisa que eu imaginava era que ia me sentir em outro mundo, que ia ser tudo diferente. Ao contrário, me senti muito em casa, achei tudo familiar. Mas teve uma dica que li e se confirmou: pergunte 10x a mesma coisa e para pessoas diferentes, porque pode não ser “bem assim”.

O tempo é mais lento sim, eles não vivem nessa loucura de tudo rápido e com a pressa que vivemos. A distância também é outra (talvez pelo tempo). Às vezes eles dizem que um lugar é MUITO longe e para os nossos padrões é super perto. Ou que vai ser rápido e demora bastante. Já era uma piada dizer “vai ser 5 minutos ou 5 minutos cubanos?”.

Adeus a Fidel

Agora posso dizer que já vivi um momento histórico: estava em Havana no dia da morte de Fidel Castro. O país ficou 9 dias de luto: sem música, dança, bebida. Ou seja, sem a alegria e a cor que são a alma de lá, Cuba estava irreconhecível. Para mim, o silêncio foi muito representativo do sentimento que pairava no ar: o que vai acontecer agora?

Dicas práticas

Os golpes
O que lemos por aí sobre “golpes” que os cubanos tentam aplicar nos turistas o tempo todo eu consideraria mais ou menos verdade. Talvez para os turistas ~do primeiro mundo seja sim um motivo de cuidado, mas para os brasileiros é comum, a gente tira de letra.

Tem que ter sempre em mente que os cubanos PRECISAM dar um jeito de incrementar a renda de qualquer maneira, então sim, sempre vai surgir alguém em TODOS os lugares querendo te vender charutos ou cobrar por alguma coisa como tirar foto deles na rua, por exemplo. O bom senso sempre resolve.

Charutos
Apenas não compre na rua, compre nas lojinhas especializadas. Tem várias em Havana Vieja e nos centros das cidades turísticas como Cienfuegos e Trinidad. Tem lojinha de charuto até dentro dos resorts, então não precisa mesmo comprar na rua. Corre o risco de ser ruim ou falsificado e nem é tão mais barato assim. Outra coisa é que charutos são CAROS. Eu achava que ia voltar com uma caixa de charutos e voltei com uma mini caixinha do tamanho de um maço de cigarros, hehe. Os bons charutos custavam de 10 a 20 CUCs cada charuto.

Transporte

Para se deslocar dentro de Havana você pode usar ônibus, que são simples que custam 1 Peso Cubano (cerca de 5 centavos de Euro/Dólar) ou táxis.

Existem 2 tipos de táxis: os do governo, que são amarelinhos (tipo NYC hehe), tem carros modernos e custam mais caro; e tem os taxis “particulares” que são carros comuns, bem velhos, só com uma plaquinha ou um adesivo na frente escrito táxi e custam mais barato. De qualquer forma, sempre que entrar num táxi negocie o preço antes, pois não tem taxímetro.

Eles sempre vão tentar cobrar um valor lá em cima, mas à medida que você vai conhecendo as distâncias, você vai vendo que às vezes eles querem cobrar 10 CUCs (pesos convertíveis, equivalente ao Euro ou ao Dólar) uma corrida curta que tranquilamente poderia custar 5 CUCs.

Sobre as moedas cubanas, tem muitos posts internet afora explicando. Resumindo: você praticamente só vai usar CUCs, às vezes vai receber um troco em Pesos Cubanos. Leve Euros e troque por CUCs que é equivalente. Dizem que Dólar eles cobram uma taxa para trocar, o que não comprovei porque só levei Euros. Na chegada dá pra trocar no câmbio do aeroporto (no 1° andar, na parte de fora da porta) ou nas casas de câmbio nos principais bairros como Vedado e Havana Vieja.

Dentro de Havana Vieja, o bairro mais turístico, tem os bici-táxi que pode ser uma boa opção só se você está muito cansado, porque lá é tudo plano e dá pra caminhar tranquilamente longas distâncias. Fora que os bici-táxi são mais caros que táxi normal.

Também tem os carros conversíveis coloridos que são caros, bem “para turista”, mas pode valer a pena pela diversão só para dar uma voltinha.

Para ir de uma cidade a outra tem os ônibus Viazul, que são para turistas, tem ar condicionado, geralmente saem na hora e dá até pra consultar pelo site os horários. Mas é melhor ver os horários e imprimir antes de ir, porque lá não tem internet em todo o lugar para poder consultar, hehe.

Perto dos terminais de ônibus intermunicipais sempre tem um monte de taxistas oferecendo os mesmos trechos por um preço mais em conta se você dividir o táxi com mais pessoas. Eu fiz isso algumas vezes, e foi bom, pois estávamos em duas pessoas (eu e uma amiga) e dividimos um táxi com mais duas para ir de Havana a Trinidad e realmente saiu mais barato que o ônibus.

Mas com sempre, negocie, compare o preço e o horário com o ônibus e veja a condição do carro antes. Às vezes são carros muito velhos, desconfortáveis e sem cinto de segurança (quase não existe cinto de segurança lá, por que os carros são muito antigos). Aí nesses casos é melhor ir com mais espaço e ar condicionado no conforto do ônibus.

Internet
Nesse momento o país está ampliando muito a cobertura de internet que até bem pouco tempo atrás era raridade por lá. Hoje tem internet relativamente rápida em vários pontos das cidades como: praças e parques, ruas principais, hotéis. O que ainda não tem é internet nas casas e nos restaurantes, mas isso está mudando neste momento. Leia mais aqui.

Para se conectar à internet é preciso comprar um cartão de 1h de acesso que custa de 2 a 3 CUCs. O cartão é vendido em hotéis e em pontos da ETECSA (empresa de telecomunicações) ou em lojinhas de celular/coisas de computador e ir em um ponto público. Alguns celulares como o meu, Samsung, não identificavam a rede e eu tive que ir ~hackear num cara que mexia em celulares para poder funcionar.

Casas de família
Foi a melhor surpresa da viagem. Fiquei em 4 casas diferentes e todas foram muito legais, receptivas, atenciosas, limpinhas e as refeições eram ótimas.

Em Havana fiquei no bairro Vedado, que é mais residencial mas que também tem a rua 23 que é grande, tem várias coisas perto e também opções pra comer e sair, cinemas, a sorveteria Coppelia (se você quiser mesmo conferir). Dá pra ir caminhando por ela até o Malecón e o Hotel Nacional.

Comer e beber

Tem uns restaurantes ótimos em Havana, tá surgindo cada dia uma coisa nova.

  • Siá Kará: O melhor que eu fui em Havana. Barato (um prato com camarões custou 7 CUCs), muito boa comida e drinks ótimos. Fica perto do Capitólio e do Prado, entre Havana Vieja e Centro Habana. Endereço: Calle Industria, 502 – esquina Calle Barcelona – Havana.
  • Café Laurent: Restaurante em um terraço com comida ótima e lugar super agradável. É perto do Hotel Nacional, no Vedado. Endereço: Calle M, 257 – entre 19 y 21, Vedado – Havana.
  • Bellaciao: Pizza e massa: muito boa, pizza simples assim bem típica italiana. Perto de Miramar. Endereço: 19 y 72 – Entre Miramar e playa – Havana
  • El Dandy: pra comer assim de “beliscar” em Havana Vieja, perto da Plaza Cristo. Endereço: Calle Brasil (também chamada de Teniente Rey), quase esquina Compostela.
  • Sloppy Joe’s: Hamburgers e estilo americano, mas quebra o galho. em Havana Vieja, perto do Museo de la Revolución. Endereço: Anímas esquina Zulueta, Havana Vieja – Havana.
  • FAC: Fabrica de Arte Cubano: Mistura arte (exposição, performance, cinema, teatro) com bar/show/noite que é muito legal. É no vedado, mas tem que chegar cedo, tipo 8 ou 9 da noite em ponto (na hora que abre), porque tem muita fila e lota! Às vezes tem MUITOS cubanos e às vezes MUITOS turistas. Depende do dia. Endereço: Calle 26, esquina 11, Vedado – Havana.
  • 1830: Não conheci muito lugares de sair à noite, mas o 1830 é um bar turístico legal, com uma área aberta e show de salsa. Pra ter uma ideia geral do lugar, se “situar em Cuba” é ótimo. Endereço: Ave. Malecón y 22, Vedado – Havana.

Passeios

Havana Vieja a pé

Para ter uma boa impressão da cidade, nada melhor do que percorrer toda a área de Havana Vieja a pé. Só assim se pode ver todos os cantinhos, as casas, os cubanos, as curiosidades que só se descobre caminhando. Se você ficar só no centro BEM turístico, onde está tudo restaurado e bem conservado, não consegue ter uma boa noção do lugar.

É seguro, não ouvi nada sobre assaltos. Mas claro, batedor de carteira ou furtos existem em todos os lugares. E também as ruas são planas, nada de subidas e descidas, então é super tranquilo de caminhar o dia todo.

Museu de Arte Contemporânea

Dizem que tá ótimo, mas não consegui ir por causa do luto do Fidel, tava fechado.

Show Fusion Caribe
O cantor e bailarino que retratamos no documentário toca na rua mais turística de Havana Vieja, a Calle Obispo. De Buena Vista Social Club ao hit popular do momento, tocam e dançam com uma energia que só os cubanos têm. De terça a domingo, após as 16h (ou 17h), na Obispo em frente ao bar La Mina, em frente à Plaza de Armas.

Malecón

É a avenida na beira do mar. Vale a pena andar a pé por ali perto de Havana Vieja, tem uma vista linda, tem o porto e pôr-do-sol. Dizem que assistir ao canhonaço (tiro de canhão) no forte é legal, mas eu não fui.

Museo de la Revolución

Pra quem quer saber os detalhes e entender a revolução. O museu é feinho, mas tem toda a explicação. Vale se tiver com paciência pra ler tudo hehe.

Compras

Clandestina

A primeira loja de design contemporâneo de Cuba. Vale a visita pelos souvenires lindos e autorais e por ser muito diferente, inovador e ousado. Não imaginava que ia encontrar algo assim lá. A descrição deles:

“Somos la primera tienda de diseño cubano contemporáneo. Comercializamos productos únicos, diseñados y producidos en nuestros talleres de confección y de serigrafía.(…) somos un Clan de diseñadores y artistas que quieren aprovechar los cambios y disfrutar de la energía que tiene Cuba hoy.”

Endereço: Villegas 403 e/ Teniente Rey y Muralla. Habana Vieja – Havana

Havana - Cuba
Arquivo pessoal

Centro Cultural Antiguos Almacenes de Depósito San Jose
Para comprar lembrancinhas. Tem lojinhas de souvenires por todos os lados na cidade, mas se quiser ir em um lugar só e resolver tudo, é aqui. Fica no “final” do Malecon de Havana Vieja, passando o porto. Era um antigo armazém/doca.
Endereço: Av. Desamparados & San Ignacio

Galeria Experimental
Uma galeria simples, mas muito simpática, que tem coisas super contemporâneas como o trabalho de crônica/charge e crítica do artista cubano Ares. Fica em uma área não tão turística de Havana Vieja, então mais um motivo para passear por lá.
Calle Amargura, 321. Entre Aguacate y Compostela. Havana Vieja.

Feira na Plaza de Armas

Feirinha de livros usados, antiguidades, posters, onde se encontra souvenires bem mais legais que as lojinhas específicas.

Outras cidades

Cienfuegos

Uma cidadezinha bem típica do interior. A surpresa foi o comércio super desenvolvido, com muitas lojinhas modernas e algumas coisas de “luxo” para o porte da cidade: um clube náutico enorme (Club Cienfuegos) e um restaurante/bar que parece uma mesquita e vale a visita, que é o Palacio De Valle. Ficam em Punta Gorda, a parte da cidade que é uma ponta para o mar.

O Lonely Planet indicou o teatro de Cienfuegos, Teatro Tomás Terry como sendo LINDO e achei ok, talvez por estar mal conservado. Tem que pagar pra entrar.

Também pegamos uma dica no guia que foi o Restaurante Villa Lagarto, que parecia ótimo no guia e foi ok e caro.

Trinidad / Ancón

É uma cidade colonial parecida com Colonia Del Sacramento, no Uruguai ou Paraty, no RJ, mas eu esperava mais bonitinha e bem conservada como essas outras, mas não, é um tanto mal cuidada. A Playa Ancón, que fica a uns 15 minutos da cidade de Trinidad é bem lindinha, vale passar o dia. Tem hotéis lá, então tem “infra”: espreguiçadeiras e bar na beira da praia.

A cidade de Trinidad é meio longe pra quem fica uma semana (3h de viagem de Havana), mas tem o Vale de Viñales que é mais perto de ir de Havana e tem praia perto: Cayo Levisa ou Cayo Jutias. Tem também umas praias perto de Havana, chamam de Playas del Este, tem uma que se chama Santa Maria Del Mar e dizem que são bonitinhas, mas eu não fui. Uns colegas foram e adoraram!

Cayo Guillermo
Eu fui pra um resort pra ir conhecer uma praia paradisíaca e típica do Caribe – e realmente é caro – mas é bom pra descansar e ir pra praia – que é LINDA mesmo. Fui pra Cayo Guillermo que é LONGE, umas 8h de carro de Havana. Pertinho de lá, passei o dia na Playa Pilar que é estonteante de tão linda e com água tão transparente. Lá tem infra na beira da praia: paradouro com restaurante, banheiro, chuveiro e espreguiçadeiras na areia. Maravilhoso!

Arquivo pessoal
Arquivo pessoal
Arquivo pessoal

A Laura tem um perfil muito fofo no Instagram chamado @TodoDiaUmCao e uma empresa de pesquisa chamada Olha Lá.  Quem tiver alguma dúvida e quiser entrar em contato pode mandar um emaillaura.andrade10@gmail.com

Update [01/05/17]

O doc tá no ar e tá incrível! ♥

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *