Deserto do Atacama | Parte 3: Geyser del Tatio, Valle de la Muerte e Valle de la Luna

Bem-vindos ao segundo dia no deserto! 🙂

Geyser del Tatio

Valor da entrada: 5.000 para adultos (ou 2.000 para estudantes) | Distância de San Pedro: 90 km | Altitude: 4.320m 

O segundo dia de passeio no Atacama começou bem cedo. O micro-ônibus da Desert Adventure me buscou no hostel às 4h30 (ZzzzzZzz) e seguimos ao norte, em direção ao nosso primeiro destino. Foram 90km de viagem e enjôo, porque a altitude vai aumentando bastante e a estrada é cheia de curvas e buracos. Depois disso eu entendi porque eles aconselham não tomar café da manhã antes do passeio.

Atacama

Chegamos no local e ainda estava escuro. Além disso, estava BEM frio e eu descobri que não estava com roupa adequada pra esse passeio. Eu levei um casaco que suportava o frio (era um pra neve), mas fui com uma calça jeans e tênis All Star. Eu não quis levar muita coisa porque a minha mala estava em Santiago e viajei pro deserto apenas com uma mochila. Resultado: invejei todos os que estavam com roupa térmica e eu não nem tinha vontade de sair do ar condicionado quente do micro-ônibus.

Esse foi o único passeio que eu fiz no deserto com a temperatura negativa. Durante o dia estava bem agradável, entre (mais ou menos) 25ºC e 30ºC.

Quando chegamos, o guia montou uma mesa de café da manhã com várias coisas bem boas. Como os geysers chegam a fazer 85ºC, eles colocaram o achocolatado líquido pra esquentar ali mesmo, dentro dos “buracos”.  Também colocaram ovos pra cozinhar.

Atacama

Tô falando sobre os geysers e lembrei que não expliquei nada sobre o lugar. Retomando as aulas de geografia do colégio, os Geysers del Tatio são formados quando rios gelados e subterrâneos entram em contato com rochas quentes. Isso resulta em um campo geotérmico, onde colunas bem grandes de vapor saem para a superfície através de fissuras na crosta terrestre. Esse vapor chega a alcançar a temperatura de 85ºC e até 10m de altura. Resumindo: uma coisa incrível de assistir!

Esse espetáculo não dura muito, então é bem importante chegar cedo, que é quando os geysers estão a todo vapor – literalmente.

Geysers del Tatio

Geysers del Tatio

As fotos não conseguem captar o momento – e nem o cheiro enjoativo de enxofre (ainda bem). O dia vai clareando e os geysers vão “acalmando”.

Atacama

Depois disso fomos caminhando até as piscinas térmicas naturais. A temperatura externa ainda era baixa, mas a água estava bem quente. Eu acabei não entrando na piscina – ainda estava com bastante frio e um pouco enjoada.

Essa foto é de umas pessoas aleatórias que já estavam lá quando cheguei.

Atacama

Povoado de Machuca

No caminho de volta para San Pedro nós descemos em Machuca, um pequeno vilarejo. Poucas pessoas ainda moram ali e todas as casas possuem placas de energia solar.

Atacama

Atacama

Atacama

O vilarejo não tem muitas atrações, a não ser visitar a igreja e comer um espetinho de carne de llama não domesticada. Eu comi e gostei (só pode julgar quem não come isso).

Atacama

Atacama

Nesse momento já tava bem quente (e eu ainda estava com o casaco de neve porque o zíper tinha emperrado).

Valle de la Muerte

Distância de San Pedro: 2 km | Altitude: Praticamente a mesma de San Pedro (+ ou – 2.400m)

Os passeios do turno da tarde iniciaram às 16h e partimos da Desert Adventure, no centro da cidade.

O Valle de la Muerte fica bem próximo de San Pedro e geralmente é um destino com pouca variação de altitude. Muita gente faz esse percurso de bicicleta.

Minutos depois de sair da cidade nós descemos numa estrada (a principal, que é caminho pra Calama) e caminhamos um pouquinho.

Atacama
Esse casal era muito querido. Ele é australiano e ela vietnamita. Eles se conheceram na 2a Guerra Mundial – ele tinha sido ferido e ela foi a enfermeira que cuidou ele. Desde que eles se aposentaram eles viajam todos os anos pra algum lugar diferente. BTW, ela é igual a Yoko!

A paisagem é incrível – como todas que eu vi no deserto. O contraste das cores é lindo e só não foi possível avistar (ainda) mais longe porque o dia estava nublado.

Atacama

O vale é bastante procurando pra fazer sandboard.

Atacama

Como muita coisa no deserto, há diferentes versões para justificar o nome desse vale. O guia que nos acompanhou nesse passeio nos contou duas:

1) A primeira lenda diz que foi encontrado um grande número de ossos humanos nesse vale e que quem tentava fazer a travessia acabava morrendo.

2) A segunda lenda diz que o arqueólogo francês Gustavo Le Paige foi quem descobriu o local e achou semelhanças com Marte – o planeta vermelho. Le Paige teria batizado o lugar como Valle de Marte, mas os nativos acabaram confundindo Marte com Muerte (por causa do sotaque) e o nome errado acabou pegando.

Li na internet outras 82734823 versões e variações, mas a gente nunca vai ter certeza. O legal é que você pode acreditar no que quiser. Eu gosto da junção das duas coisas, haha.

Mirador de Kari + Piedra del Coyote

Bem próximo do Valle de la Muerte – e a caminho do Valle de la Luna – nós paramos no Mirador de Kari (Mirante de Cari), um ótimo lugar pra avistar a Cordilheira de Sal (que está paralela a Cordilheira dos Andes, a Cordilheira de Domeyko e ao Salar de Atacama). Essa cordilheira foi moldada através do tempo pela erosão da chuva, do vento e de outros agentes atmosféricos. O resultado é esse visual inóspito, composto basicamente por argila, clorato, gesso e sal.

Atacama

Atrás dessa cordilheira tem o Salar de Atacama e láaa no último plano é a Cordilheira dos Andes.

Atacama

Um dos pontos mais procurados é a Piedra del Coyote, que tem esse nome por ser parecido com a do desenho animado (aquele com o Papa-léguas).

Atacama

Valle de la Luna

Valor da entrada*: 2.000 para adultos (ou 1.500 para estudantes) | Distância de San Pedro: 17 km | Altitude: Praticamente a mesma de San Pedro (+ ou – 2.400m)

O Valle de la Luna é outro lugar maravilhoso, que forma parte da Cordilheira de Sal e pertence a Reserva Nacional dos Flamencos. O vale é chamado assim porque tem cristais e formações rochosas que têm um brilho intenso e reflete em noites de lua cheia.

Ouvi falar que é o lugar mais inóspito do planeta Terra, mas há controvérsias e diferentes opiniões sobre o assunto. De qualquer forma, nesse vale não há vida ou umidade (BEM diferente de Porto Alegre, que hoje tá com 100% de umidade).

O passeio foi dividido em 3 momentos: 1) Cuevas de Sal, 2) Las Tres Marias e 3) Dunas.

Cuevas de Sal

O passeio pelas Cuevas (cavernas) de Sal não é recomendado pra quem tem claustrofobia e você vai entender o porquê nas fotos.

Depois que descemos do micro-ônibus nós recebemos algumas instruções (como em todos os passeios) e ganhamos lanternas pra usar no interior das cavernas. Não eram muitas pessoas no grupo, mas mesmo assim não tinha lanternas pra todos – eu acabei usando a do celular mesmo.

Pra chegar na caverna tem que andar um pouco na areia fofa, mas é coisa rápida.

Atacama

Atacama

O percurso interno não é longo, mas tem trechos bem estreitos, como esse da foto.

Atacama

Atacama

Atacama

Atacama

Atacama

Depois de sairmos da caverna nós fomos subindo e descendo os paredões até chegar de volta ao ponto de partida e pegar o transporte pro próximo destino.

 
2) Las Tres Marias

Na minha opinião, essa é a parte dispensável do passeio – mas ok, é caminho pras dunas. Uma parte da escultura foi quebrada por algum nativo ou turista, mas dizem que a primeira Maria está agachada, a que está no meio está segurando um bebê e a terceira está com os braços pra cima. Whaaaat?

Atacama

Atacama

Essa parada foi rápida, até porque não tinha muito o que fazer. Nesse momento começou a chover um pouco, mas seguimos pras dunas.

3) Dunas 

De todos os passeios, talvez esse seja o mais cansativo. Nada muito absurdo, mas o dia tinha começado cedo (antes das 4h30 da madrugada manhã) e pra chegar na parte alta era preciso subir as dunas, ou seja, muita areia fofa no caminho.

Atacama

Atacama

A chuva já tinha passado, mas eu sabia que não teria o pôr do sol perfeito que todos comentavam sobre esse lugar. Maaaaas eu tive uma surpresa bem feliz:

Atacama

O mais de cima tá um pouco claro, mas é um double rainbow! ♥

DCIM102GOPRO

Atacama
Atacama

Atacama

E em questão de minutos foi escurecendo e os tons mudando. ♥

Atacama

Atacama

Nada mal pra encerrar o segundo dia no deserto, né? ♥

Já fiz outros dois posts sobre o Deserto do Atacama: um sobre passagem, translado e hospedagem (aqui), e outro sobre o roteiro que organizei e o primeiro dia de passeios (aqui).

4 thoughts on “Deserto do Atacama | Parte 3: Geyser del Tatio, Valle de la Muerte e Valle de la Luna

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *